Histórias || Lapas




"Que achas de fazermos alguma coisa hoje a noite, um jantar ou assim, com o Mi. e a A.?"
"Por mim ok, pergunta-lhes."
Surgiu assim a ideia, durante uma tarde de praia. Após todos conversarmos, lá ficou decidido. Fomos ao Caniçal, ao Muralhas Bar. Estavam todos loucos por lapas, menos eu. Que sou a esquisita. Mas, lá fomos. A especialidade é peixe, contudo também faziam picado regional, que é a minha perdição. Ou seja, jantar perfeito para todos. As entradas foram as tão desejadas Lapas e Mexilhão. A menina esquisita comeu pão como entrada que é para aprender. Depois vieram os pratos principais, dois picadinhos, um de peixe (já não me lembro qual) e o de Carne!! Foi uma delícia de jantar!!
-JR.

Textos || Café, por favor

"Boa noite, um café e um copo de água, por favor." Assim começa uma boa conversa no café, assuntos aleatórios. Descontraidamente, sentados frente a frente. Conversa calma e relaxada, sem pressão. Tudo corre melhor e de forma mais natural. Olhos nos olhos, sem qualquer constrangimento. Intimidade típica de um jovem casal com passado amoroso em comum. Num instante se vão duas horas, bem passadas. Sentimento de leveza e harmonia interna inexplicável. Há muito que não me sentia assim, tão confortável.
-JR.

Diário || feriado

Acordar tarde, ficar na preguiça. Levantar, tomar um bom banho, vestir uma camisola qualquer e beber um chá bem quente. Rádio ligado, temperatura agradável, brisa que entra pela janela semi-aberta. Pensar em tudo e nada.
-JR.

Diário || Relaxar

Chega a noite e faz-se silêncio. Acaba a turbulência diária típica de uma casa com 8 pessoas. Ligo o radio, que "roubei" do quarto do meu irmão mais velho, numa estação qualquer e aproveito a ausência de barulho para relaxar. Faz tão bem o escuro da noite e a harmonia da música.
-JR.

Diário || Perdi a guerra

Seguir é a única coisa que posso fazer. Aceitar e deixar ir. É triste, ver tudo desmoronar. Assim. Está tudo tão fágil que ao mínimo sopro do vendo cai. Quem diria que poderia ficar do modo que está. Não te quero ver, não te quero ouvir. Vai. Acabou. Desisiti. É preciso ter a capacidade de ver e perceber quando não se pertence mais. Chegou a minha vez. Perdi a guerra. Foram duras batalhas, em quase todas saí vencedora, mas na batalha final, a mais importante, saí derrotada. Termina assim.

-JR.

Diário || Maldita dor

Acordar de manhã com uma dor de cabeça horrenda. Como se tivesses ouvido música, ao volume máximo, toda a noite. E sabes que a única coisa que fizeste foi sair com um grupo de amigos para jantar e tomar um copo, num sitio calmo, com música a condizer. Maldita dor. Sair da cama sem vontade, só porque tem que ser. Preparar um café fresco e bem quente. Trincar qualquer coisa e depois, ingerir um maldito comprimido, pois com a cabeça assim não se faz nada do dia!

-JR.